quarta-feira, dezembro 28, 2011

Por ocasião da Festa dos Santos Inocentes


Três textos para ler e reler por ocasião da passagem da Festa dos Santos Inocentes:

- Os não- existentes;

- Les bons esprits se rencontrent;

- Passos Coelho é a favor de um “Estado mínimo”, mas apoia o aborto pago pelo Estado.

Do primeiro deles, não resisto a respigar o trecho abaixo transcrito:

A multidão dos “invisíveis”, dos não-pessoa, dos que positivamente não existem, mas que são degolados, estraçalhados, aniquilados e depois arrojados ao lixo ou aproveitados para sabores de bebidas, para cosméticos, e outras infâmias nefandas não constituem uma emergência para os nossos Bispos. Ignoram sistemática e olimpicamente, com um desprezo que raia a impiedade, o Magistério de João Paulo II e de Bento XVI com as suas insistentes referências a esta tragédia e às implicações sociais da mesma. Chegam ao desplante de citar a Caritas in Veritate, Encíclica que torna bem claro, na continuidade da Evangelium vitae, que é impossível uma Doutrina Social da Igreja à margem da sexualidade e da vida nascente.

A isto acrescento tão-só: por que é que esta atitude do nosso episcopado não me causa qualquer espanto?...

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Excerpts from letter to a prisoner 02

[...] Let me ramble a wee bit today about Penitence.

There is still this stupid myth Penitence is about whipping your back or extreme fasting. Modern men in Western societies have grown in too comfortable settings. Comfort permeates everything. The mere idea of doing corporal penitence is met with utter repugnance by today’s man. In fact, there is a need (within limits) to practice some form of penitence.

However the key issue is not this. We tend to forget, or at least overlook, the mechanics of sin. We often go to Confession with some remorse, with some bad feeling, having known we have violated the rules, the Commandments given to us by God Himself. In fact, that suffering is good in itself. Modern man decries suffering but it took no less than a God to descend into us and to teach us from the Cross a lesson about suffering. Given the enormity of the suffering of a crucifixion, it is reasonable to ponder that suffering must be a very important thing when no less than a God accepted this as the ultimate lesson He gave us. Again, the internal suffering we have after having sinned is a very good thing in itself and is normally the first step towards repentance.

Yet the crime is not the same if I killed a nasty hooligan during a fight or premeditatedly killed the Queen. While both would be very grievous crimes, the latter would be even worse on account of the importance, dignity and royalty of the Queen. Now, do we bring to our minds often enough that every sin we commit is against God Himself? Talking about Importance, Dignity and Royalty … wow! The distance between the Creator and the creature is infinite. And the Creator is, in Himself, Infinite. As the severity of crime depends upon the victim, and not the perpetrator, therefore every mortal sin we commit is an infinite offence we inflict upon the most delightful of Beings: the Holy Trinity. I will go back to this Trinitarian approach afterwards, but please allow me to carry on for the time being.

Now every offence, every transgression deserves a punishment. Somehow we must expiate our crimes, our sins. Otherwise the Divine Justice will fall upon us after earthly life and we know from the Catechism that the lightest of penances in Purgatory is worse than the hardest suffering of this world. That is supposing the issue ends up nicely, because if we talk about Hell there are no words to describe the situation of a soul in such a state. Expiation is closely related to the word atonement. The more you expiate, the more you atone before God. […] If I harm you, but afterwards I not only beg your forgiveness, but also help you, do something good for you, even if this means a sacrifice for me, I am not only expiating my sin, but your logical wrath against me would diminish, wouldn’t it?

And this is precisely the hard core of Penitence. The willingness to expiate for our sins and, in turn, to atone for them. Protestants are grossly misled when they confide everything to Our Lord in the Cross. It is not only St Paul who clearly specifies that Faith without works is nothing, but also they fail to appreciate that erasing our sins, as if they were an infinite offence (Original Sin and each one of the mortal sins committed by every single human being throughout history by itself, gee!) would require an Infinite Reparation. Who could provide this Reparation to God other than God Himself? You have here the absolute need of Christ and His Redemption. Yet if the person does not do anything of his own to repair, he cannot join the Ultimate Reparation. Luther mistakenly said: “esto peccator et pecca fortiter, sed fortius fide”. That is to say, “if you are going to be a sinner, sin strongly, but believe even stronger”. On the contrary Catholics state, and common sense proclaims “no pain, no gain”. Avoid as much sin as possible, do penitence, perform good deeds and good works. If you are a sinner, Faith by itself will not save you and, in any case, try to minimize your sin(s) as much as possible. And if you commit a sin, there is no way you will erase it simply through pure Faith. No expiation (no atonement), no Heaven.

Ultimately our spiritual life relies in identifying ourselves with Christ our Saviour. If Our Lord did atone and did expiate for our sins (He had none of his own crop), we must imitate Him. If Our Lord followed the steps of St John the Baptist and did penance, we must do the same. If Our Lord practiced the Works of Mercy, and he was often exhausted because of it, we should emulate Him. If Our Lord lived humbly and in poverty (not in misery), we should live a humble and poor life too, even if we are the wealthiest people on earth.

Now, let’s be practical. Certain “charisms”, as they label them nowadays, are called to live a life of corporal penitence. In Western tradition it has been the case of Franciscans monks, specially Capuchins, and Clarise nuns. We should abstain and fast, at least, on the days prescribed by the Holy Mother Church that, to be honest, are not that many. We should not live a worldly life, but take only the things we need from the world to fulfill our duties of state. This means it is good for us not to give our senses and our bodies all they claim. A proper order means our bodies are oriented towards our souls, and not vice versa. While our bodies deserve respect, they suffer the consequences of Original Sin. Restraining them is important. Suffice is to say that, from this point of view, every time we avoid a sin, particularly if it is a sin we have previously committed or, worse, a sin which has becomes a habit, we are already doing expiation. Aye, God, Who sees everything, will not fail to reward us 10,000 % in Heaven -so the Bible goes- for every time we deviate from sin. Avoiding occasions of sin is probably the most practical way to expiate.

I have digressed and would like to concentrate on certain practical issues. Let me focus on our duties of state. We have different states. Let’s consider yours: as a husband, as a father, as a prisoner. For the time being they are your duties of state. You might think otherwise wrongly that there is not much you can do as a father or as a husband. St Thomas More was imprisoned in the Tower of London as a consequence of iniquity, and he had already showed heroic virtues prior to his imprisonment. From the letters he wrote I can grasp that his example as husband and father was even greater from within his cell than outside. His book “The Agony of Christ”, written when he was already waiting to be executed, shows an unbelievable mettle (or courage). Even the letters he wrote to Rupert, his son-in-law, and some of Rupert’s writings about the conversations with him, reveal a man who offered every single sacrifice for his family and for England, when we consider that he was the legitimate Lord Chancellor and that the King had acted unjustly and tyrannically in removing him from power. His duties of state meant he should dedicate himself to his family and England. While you have the duty to be a patriot (patriotism is a virtue linked to the 4th Commandment), you do not have the Lord Chancellor’s duties of state. Yet you have the duty towards [Y] and all your children. Every time, which I reckon are many these days, you implore blessings and protection from Heaven upon them, every time you do a sacrifice for them (you have nice food and you abstain from it, for example, for them), you are not only doing things for them as father and husband, but you are expiating for the many times you did fail in your duty of state.

[…]

You also have duties of state as a prisoner. And sometimes you must be very weary of them. After all, we are only human. You may have an officer who is not a kind person, and who treats you below standards. And you may reply to him, even justly and within reason, with wrath, even if just an internal one. But if you do it with kindness, you will gain even more graces. And so on, and so forth. Look for specific examples where you can practise your duty of state (obedience, compliance, cleanliness, making good use of your time, etc.) as a prisoner. Again, in doing so, you will practise Penitence. Even in accepting your current fate. All this will also reduce your Purgatory.

It seems to me that this unjust affair falling upon you is going to build up a mansion in Heaven for both [Y] (who is suffering tremendously as well) and you. A very beautiful and comfortable mansion of great proportions. All these sufferings, all these trials, are nothing compared with the Glory you are called to.

Rafael Castela Santos

terça-feira, dezembro 20, 2011

Los tiempos son cortos

Muy cortos. Cada vez más cortos.
Alguien debería percatarse de esto. O se dan prisa o las circunstancias ulteriores pudieran no ser tan propicias.

Rafael Castela Santos

domingo, dezembro 18, 2011

Varias recomendaciones de lectura de ateos y otros no tanto

La red está llena de sorpresas agradables y otras no tanto. Me han interesado siempre mucho las defensas de la vida que venían de gentes no-religiosas. Siempre he considerado que lo cristiano es el marchamo del Derecho Natural. Me acabo de enterar de la muerte, por otro lado esperada, de Cristopher Hitchens, gran defensor de la vida desde las trincheras del ateísmo –desde el que combatió militantemente a todas las religiones- y al que parece se adhirió hasta el último momento. De todas maneras, me atrevo a recomendar a los lectores de A Casa de Sarto que buceen en los argumentos antiabortistas de este hombre, bien lúcidos. Me da pena su final, pero cada vez tengo más fe en la Misericordia de Dios que en el empecinamiento de los hombres, y los últimos momentos pertenecen siempre al arcano entre el alma y el Todopoderoso. El obituario que antes he enlazado refleja muy bien su tragedia, su encuentro y su desencuentro con el aborto criminal, moderna forma de sacrificios humanos a Moloch y sus secuaces.
Vamos con una de crítica al evolucionismo. Como dice un buen amigo mío: “Yo no creo en la evolución, pero sí creo en la involución”. Lógico, dado que el darwinismo evolucionista tiene por sustento un montón de hipótesis cada vez más cuestionadas y ninguna demostrada. Y lógico, también, vista la marcha de la humanidad de mal en peor hacia una catástrofe por autodestrucción en todos los órdenes de fenomenales proporciones. Les dejo con las páginas de dos biólogos con un pedigree investigador más que notable ambos. El primero, Emilio Cervantes, ciertamente agnóstico. Excelente para ver las fallas del darwinismo y el evolucionismo. El segundo, Máximo Sandín, no lo sé. Pero no menos excelente este último para percatarse que, también, desde la biología hay destrucción garantizada. La avaricia de varias monstruosas compañías transnacionales biotecnológicas nos pueden arruinar la vida, nunca mejor dicho.
¡Ay la avaricia, siempre la avaricia …! ¿O habrá más pecados detrás también? Posiblemente.
Acabemos con una de Esperanza de la que tenía que haber informado a nuestros pacientes lectores anteriormente. La bitácora Radio Cristiandad ha recuperado el opúsculo sensacional del Padre Antonio Van Rixtel, S.J., El testimonio de nuestra Esperanza, que era difícilmente conseguible, por no decir inencontrable. Lo hace por entregas. Es de agradecer esta recuperación porque me parece a mí que se había dejado de lado esta obra que es sucinta, suculenta, enjundiosa y que no puede dejarse de lado en un análisis de los sucesos esjatológicos que ya se nos vienen encima. Para facilitar la tarea a nuestros lectores digo que hasta ahora se han publicado 6 capítulos y que aquí quedan enlazados, uno por uno: capítulo 1, capítulo 2, capítulo 3, capítulo 4, capítulo 5 y capítulo 6. Esperemos que completen la obra y agradecemos a Radio Cristiandad y a Federico Ledesma el loable empeño en la difusión de este trabajo. Van Rixtel fue amigo de Castellani y, aunque holandés el primero, coincidieron en Argentina allá por los 40 del pasado siglo.
Quedaría quizás, entre los exégetas modernos, la tarea pendiente de hacer una compilación y comentario de todas las notas de Monseñor Juan Straubinger, también amigo de los anteriores, sobre todo de sus trasuntos esjatológicos. A día de hoy nos tenemos que conformar con la edición completa anotada de la Biblia que hizo Straubinger (Círculo de Lectores, Argentina), que no sólo en el Apokalypsis, sino en los libros de Daniel, Mateo y otros Evangelistas, tiene interesantísimos comentarios.
Cada vez con menos esperanza, pero también cada vez con más Esperanza, aprovecho el presente post para desear a todos los visitantes de esta humilde Casa de Sarto una muy feliz y santa Navidad. Que el Niño Dios nazca en nuestros corazones que, cada vez más, suspiran por Él. Una nueva “Encarnación” se puede entrever, no sé ya si en la forma de una presencia espiritual rotunda durante un tiempo más o menos largo o en la forma de presencia corpórea y rotundísima de la 2ª Venida (con “botellón”, despedida y cierre en el Valle de Josafat previo Juicio de las Naciones), así que bien haremos en prepararnos para ese Nacimiento. El que los católicos celebramos el día 24. Y el de Su mayor presencia en nuestros corazones. Una Epifanía se cierne ya en el horizonte …
Feliz Navidad.

Rafael Castela Santos

domingo, dezembro 11, 2011

Querellas de amor

Introducción
En estos tiempos se suceden las noticias sobre la marcha de las negociaciones entre el Vaticano y la Fraternidad Sacerdotal de San Pío X (FSSPX), alias Hermandad, para conseguir una regularización de esta última.
Una lectura superficial de algunas cartas y contestaciones a hechos recientes podría hacernos pensar, por la contestación que ha podido suponer a una cierta, quizás, tendencia del Superior General –Monseñor Bernard Fellay- favorable a algún tipo de arreglo, que las negociaciones marchan mal. Una consideración más detenida de los hechos puede darnos, sin embargo, una visión contraria. En este sentido son muy interesantes las últimas declaraciones del Obispo Fellay.

Hechos
Los hechos, en sucesión cronológica, son los siguientes.
En primer lugar estuvo, antes del encuentro de Monseñor Fellay y los Asistentes Generales de la FSSPX, los Padres Niklaus Pfluger y Alain-Marc Nély, con las autoridades romanas y la entrega del preámbulo cuyo contenido seguimos sin conocer, la boutade del Superior del distrito francés, el P Cacqueray. En una línea inusualmente dura por parte del P Cacqueray se manifestaba sobre Asís, pero alguno de los inuendos que allí se vertían era –cuando menos- imprudente. El repaso que le metieron desde la Casa General de la Hermandad de San Pío X en Menzingen fue soberano.
Luego vino la enésima tontería del Padre Morgan, con una carta también pública, contraria al arreglo y más moderada en forma, pero no en fondo. La carta duró en el internet menos que un caramelo a la puerta de un colegio, y fue retirada de montones de sitios rápidamente en un golpe de mano bien trazado desde Menzingen. Sólo la indiscreción de Secretum Meum Mihi ha permitido preservar esta carta.
El Superior de Hispanoamérica, el Padre Christian Bouchacourt, de nacionalidad gabacha, despachó una carta sobre el acuerdo, que no dejaba de ser muy inoportuna (por decir lo menos) en el delicado momento y tenía sus ribetes e implicaciones. De esta carta se hizo inicialmente eco la bitácora de Radio Cristiandad pero, interesantemente, ya no la reproduce Radio Cristiandad.
Más recientemente el P Pfluger dio una conferencia a los priores franceses, al parecer explicando las bondades de un posible acuerdo, aunque fue muy equilibrado en sus planteamientos y expuso los peligros a los que se enfrenta la FSSPX, y tuvo una cierta contestación contra el acuerdo por parte de algunos de los mismos.
Y entremedias existen carreristas en Roma que quieren autopostularse para ser ellos los directores de orquesta de la previsible Prelatura Personal que ofrecen a la Hermandad de San Pío X. Autopostulantes que, además, se dedican a lanzar cualquier tipo de amenazas, insultos y gilipolleces acerca de la Tradición (que dicen comprender y defender). A estos aspirantes a obispitos más les valdría esforzarse en entender lo que no entienden, dejar de atacar a los tradicionalistas y a la Tradición y hacer gala de diplomacia vaticana, que siempre ha conseguido más con miel que con hiel para los objetivos que busca y para el bien supremo de la Iglesia. Insisto, ya sabemos que la FSSPX nunca brilló por sus dotes diplomáticas, pero no deja de ser sorprendente que algunos romanos trepas y carreristas exhiban todavía menos diplomacia que la FSSPX, que ya es decir.

Consecuencias
En primer lugar hay que darle la importancia que debe al contexto y a los viejos hábitos. Por parte de la Hermandad, entre estos últimos, se encuentra el exceso de decibelios. La FSSPX ha sido machacada, vituperada, vilipendiada, escupida públicamente y ninguneada durante casi 40 años. Y en buena parte por Roma misma. Sí, sí … por el Vaticano. Que cada palo aguante su vela y que Roma no se desentienda de sus actos pasados, si bien sería inicuo negar que los actos presentes son otros y muy distintos a Dios gracias. ¿Qué genera esto? Pues una institución más o menos condenada al ostracismo, con una gran capacidad de remar contracorriente y cuyo único método de exhibición pública ha sido el pataleo. Es decir: decibelios y más decibelios. La Hermandad tiene esa manía. ¿Es eso malo? Objetivamente no, en sí mismo. En el contexto, si fueran capaces de una mínima diplomacia (que pocas o ninguna vez lo han sido), no coopera o, más bien, puede asustar a los que les observen, con lo cual puede ser contraproducente. Todo en la Hermandad, todo lo que importa, se expresa mediante decibelios. Y esto es así desde hace muchos años cuando quiera que algo se vive como importante dentro de la FSSPX. Así que la lectura correcta es: “esto les debe importar, porque están generando muchos decibelios”. Y, por tanto, la interpretación de, básicamente, tres casos públicos (ad extra) y una germanía de desgarramantas –por oficio priores gabachos- reunidos con un Asistente General (es decir, ad intra) que generan decibelios implica que hay una gran oposición al acuerdo con Roma es, cuando menos, desaforada.
Por otro lado dejarse engañar por la aparente estridencia de unos pocos –o muy pocos- curas de ribetes clericalistas con ánimo de tuercebotas, sin tener en cuenta los verdaderos números es un sesgo imperdonable. Volvamos a los hechos: 3 Sacerdotes ponen en el grito en el cielo de entre 550 que son. ¿Es esto un gran número? No, es una minoría absolutamente ridícula aparentemente amplificada por los puestos que ocupan. Y parte de esta culpa, sí, es atribuible a Menzingen por mor de su pésima política de elección de superiores y priores a lo largo de varios lustros. De igual manera que un número relevante de los priores franceses pueden expresar reticencias, incluso a veces fuertes, a la regularización, les consta fehacientemente en Menzingen que la práctica totalidad de los Superiores y priores alemanes están a favor. Y así otros varios distritos que no menciono para que mis confidentes no sufran. A más a más, la mayor parte de los Sacerdotes franceses, curitas normales y corrientes sin puesto alguno en la estructura de la FSSPX, no sólo sienten una natural simpatía hacia el posible acuerdo sino que, además, van a obedecer a Monseñor Fellay y no a las díscolas ínfulas de algunos de sus casposos priores mediopensionistas. Por tanto, ténganse las cifras reales en mente, y no las sensaciones que puedan producir cuatro fulanos armando mucha bulla. Y téngase asimismo en cuenta que la mayoría silenciosa de la Hermandad sigue a Fellay a machamartillo.
En tercer lugar, dejando de lado el affaire Cacqueray, previo al Preámbulo y que por ende no procede como argumento para analizar la actual situación, sí que importa el caso Morgan. Aquí lo relevante es que el análisis –digámoslo así- “morganático” no coincide para nada con el del Superior de la Hermandad de San Pío X. Menzingen obligó a suprimir ese análisis porque la Casa General no coincide con él, como dos fuentes insiders, de manera independiente, en Inglaterra y Ecône me han confirmado. Por tanto es muy relevante que Menzingen discrepe no sólo de la forma por su inoportunidad y desafío a la autoridad, sino del fondo de la misma. El Vaticano haría bien en tomarse en serio este último punto y valorarlo como tal en vez de permitir que algunos de los encargados sobre esta materia sigan dedicados al onanismo intelectual y a la pronunciación de afrentas gratuitas.
En cuarto lugar, y siguiendo con lo del Padre Morgan, no es menos relevante que el propio Padre Morgan obedeciera sin rechistar e ipso facto en cuanto le metieron presión de Menzingen. Por tanto este es un buen ejemplo, público y notorio, de que hay obediencia al Superior General de la FSSPX. De nuevo, lo lógico es que Roma tomase buena nota de este hecho: Fellay manda, tiene fuerza y capacidad de mando y hay obediencia al Superior General. Sin ánimo de herir, pero para que se vea el contraste, véase qué ha pasado en la Iglesia oficial romana con los asuntos de los infames Hans Küng o José Antonio Pagola; ahí ni Roma tuvo fuerza, ni capacidad de mando y la desobediencia de los inferiores era palmaria y notoria. Mucho nos gustaría a muchos que Monseñor Guido Pozzo se entretuviera en forjar y aplicar unas buenas y debidas –proporcionales a sus desmanes y herejías- condenas a Küng o Pagola, entre otros muchos herejes. ¿No cree, Monseñor Pozzo, que sería ésta una mejor, más productiva y más ejemplar inversión de su tiempo que otros menesteres? Y mucho nos gustaría que Roma actuase de oficio contra Sacerdotes que están en clara oposición en Austria, Obispos que se oponen por pasiva y por activa a la Misa Tradicional, curas que promueven abortos en Barcelona o apóstoles de la New Age y quién sabe si no cosas peores en EE.UU. que van de clergyman, entre otros muchos. ¿Se percata Roma que, como institución y en este particular, la FSSPX funciona mejor que la Iglesia, donde la impunidad es casi la norma?
Y en último lugar, last but not least, el consabido Williamson. No seré yo quien haga leña del árbol caído, aunque haya caído por culpa y deméritos propios. Monseñor Williamson, a quien aprecio profundamente porque es un hombre de honor (cosa que otros muchos, mismamente en la Hermandad, no pueden decir), se ha equivocado de punta a punta en varios aspectos. En primer lugar en su negacionismo, que no comparto en absoluto, y que ocasionó por sesgadísima visión histórica y su no menor inoportunidad en el momento que todo aconteció –posiblemente instrumentalizada por enemigos declarados de la Esposa Mística de Cristo- un gravísimo daño a la Iglesia. Y también a sí mismo al dinamitar su apostolado episcopal y a la propia FSSPX, que ha sufrido lo indecible, particularmente en el distrito alemán. En segundo lugar por su afán de notoriedad, cuando lo prudente –el ejercicio del bien común- demandaría un very low profile, que es casi decir un “Vlp”, de Su Ilustrísima en las circunstancias concretas de la situación y momentos actuales. Sea como fuere voy a decir algo que molestará a algunos y sorprenderá a otros: Monseñor Williamson es el más romano de los Obispos de la Hermandad. Sí, el más romano y al que la Romanitas le cabe más y mejor en la cabeza y quién sabe si también en el corazón. El problema es que es público y notorio que las relaciones de Williamson y Fellay no son óptimas (estoy siendo muy diplomático) y basta que Fellay diga una cosa para que Williamson diga la contraria. Espero, por el bien supremo de la Santa Madre Iglesia, que Monseñor Williamson –que es el más inteligente y capaz de los cuatro obispos de la FSSPX-, piense sólo en el interés superior de la res publica y cese en su particular enfrentamiento con Fellay, por más razón que pudiera asistirle en su personal diatriba. Se sorprendería el mismísimo Monseñor Williamson si yo dijera aquí la simpatía que suscita en algunos sectores de Roma, que han sido capaces de percatarse de la enorme capacidad de este hombre, pero evidentemente voy a callar por prudencia. Por cierto, ¿ha considerado alguien el hecho de que Monseñor Williamson no ha escrito ni se ha adherido a ninguna de manifestaciones anti-regularización? Por tanto con ello queda todo dicho. ¡Qué pena que Monseñor Williamson pegase tiros a sus propios pies! ¡Cuánto bien hubiera podido rendir a la Iglesia de no haberse metido en asuntos que no le competían y de los cuales ya le habían advertido sus Superiores que debía no opinar! ¡Qué pena que no se dé plena cuenta un Obispo católico que los ataques contra los judíos esconden muy a menudo, asimismo, un ataque contra la Cristiandad! Y cuando vienen de gentuza gnóstica, el antisemitismo es sistemáticamente, también, anticristianismo. ¡Qué pena que no pueda ayudar a Monseñor Fellay en esta difícil encrucijada y cuánto hubiera podido ayudarle!

Lecciones
En primer lugar no se puede sino plantearse seriamente la política de nombramiento de superiores. Consideremos a modo de ejemplo el caso del Padre Morgan, en Gran Bretaña. Durante su mandato la asistencia a Misa en parroquias tradicionalistas de la Hermandad en el Reino Unido ha bajado notoriamente y se han creado tensiones innecesarias y gratuitas. Si en la FSSPX se actuase al modo de una organización al uso, cualquier empresa por ejemplo, el Padre Morgan (en otros aspectos un muy buen Sacerdote, sin duda), sería cuestionado como Superior. Lamentablemente en Menzingen han seguido a menudo la política de imponer Superiores que no son más que obsecuentes genuflexos. ¿Se dará por fin cuenta Monseñor Fellay, y los que con él cocinan los nombramientos, que no son más leales los obsecuentes genuflexos –varios de ellos promocionados-, quienes a menudo tienen su propia agenda, que aquellos otros que pueden parecer críticos a primera vista pero que en el fondo son gente sincera movidos por nobles motivos de amor a las almas, a la Iglesia y lealtad a la institución de la FSSPX?
En segundo lugar debemos todos reflexionar, pero muy en particular Monseñor Fellay y los que le ayudan en esta difícil travesía, sobre lo siguiente: las reformas en la Iglesia se han hecho siempre desde dentro, no desde fuera. Se pueden citar ejemplos ad nauseam, porque la historia de la Iglesia está llena de ellos. Por su particular gravedad se me viene uno a la cabeza, el Cisma de Avignon. Las consecuencias de aquella inicua situación sólo fueron solucionadas muchos años después y por gente que –como Santa Catalina de Siena-, desde dentro, iba ejerciendo la reforma necesaria. Otro ejemplo es la reforma iniciada por el Cardenal Cisneros, que conjuró el peligro protestante en las Españas. Compárese la magnífica obra, desde dentro, del Cardenal Cisneros con los pésimos frutos de Lutero quien, desde fuera intentó reformar la Iglesia y que sin embargo tenía razón en bastantes de sus críticas. Críticas que Cisneros anticipó, por cierto. La tarea de la Hermandad es muy grave en los tiempos que nos azotan. Nada más y nada menos que reformar la Iglesia. Desde dentro, claro, porque desde fuera pueden venir pésimos frutos, como la experiencia luterana demuestra.
En tercer lugar la necesidad de actuar en bloque, sin fisuras ni divisiones. De igual manera que en Roma hay gente bienintencionada y de corazón magnánimo hacia la Tradición, existen otros que no. Estos últimos necesitan provocar una división, una fractura, de la Hermandad. Si hubiera una fracción importante de la FSSPX que se desgajara, los enemigos declarados de la Tradición en Roma aprovecharían para tratar de laminar más la Tradición con maniobras como no darles un status canónico protegido para la Tradición, una Prelatura Personal, por ejemplo, poner graves obstáculos a su apostolado, etc. Harían bien en pensar en esto los clérigos de la Hermandad, sobre todos aquellos en posiciones de mando, porque flaco es el servicio que le pueden prestar a la Tradición si promueven, consienten o actúan a favor de cualesquier división de la FSSPX. La defensa de la Tradición requiere una unión sin fisuras en este momento.
En cuarto lugar no queda sino enfatizar el hecho de que la circunstancia de necesidad que otrora fuera un sólido argumento (incluso muchos de los que desaprobaron las Consagraciones de Monseñor Lefebvre reconocían que así lo pudo haber percibido el propio Arzobispo), ahora no se da. Las circunstancias han cambiado y, afortunadamente, los tiempos de Benedicto XVI no son los de Juan Pablo II. Nada más, y nada menos, que un Summorum Pontificum y un Universae Eclessiae así lo avalan. Nada más, y nada menos, que el sello de la remisión de las excomuniones así lo confirma. El argumento de necesidad no es hoy día sostenible para justificar una situación de no-regularidad canónica.

Metarreflexiones
En primer lugar me parece que en líneas generales hay que aplaudir a Monseñor Fellay por lo bien que lo está haciendo. Su prudencia está siendo extraordinaria, su fortaleza increíble (y no olvidemos que en pura doctrina aristotélico-tomista el grado más excelso de la fortaleza es la paciencia) y por lo poco que va diciendo en declaraciones aquí y allá, está demostrando una sabiduría fuera de lo común. Me parece que una llamada a cerrar filas en torno a él resulta crucial en este momento.
En segundo lugar señalar dos peligros que se ciernen sobre la FSSPX. Caso de que no opten por llegar a un acuerdo en este momento, la deriva cismática se podría dar eventualmente. Y eso sería muy peligroso. Una de las ventajas de la regularización, y no la menor, sería la conjura de esta deriva. El otro peligro acontecería caso de llegarse a una regularización, y sería que la FSSPX bajase la guardia. Mi siempre admirada bitácora de La Honda de David ya explicó, con esa visión centrada en las cosas últimas que le caracteriza, la situación: “La FSSPX es sin duda una obra querida por Dios y diría que tiene un alcance escatológico (el que quiera entender que entienda). No es pues un grupo más entre otros.” En otra entrada de La Honda de David se lee: “[…] la vocación de la FSSPX ha de seguir siendo la de alimentar a sus fieles en el desierto (Ap 12, 14)”. Habría que decirle a La Honda de David, no obstante, que se podrían –sin mucha dificultad creo yo- llegar a retoques del Preámbulo; y en la red ya parece haber alguna confirmación de algo al respecto. Pero dicho lo anterior, con acuerdo o sin acuerdo, la vocación esjatológica de la FSSPX es, precisamente, la que señala La Honda de David: alimentar a sus fieles en el desierto. Caso de llegarse a un acuerdo el peligro acecharía en bajar la guardia, en no entender que la misma misión de apostolado sigue existiendo, en pensar que la misión principal ya no es tan importante. ¡Es exactamente la misma! Sólo que ahora desde dentro. Ni más ni menos. ¡Líbrenos Dios que estos Sacerdotes, y los que de ellos hemos recibido el maná celestial tantas veces, cejemos en alimentar los fieles en el desierto! Por cierto, ¿consideramos tanto como debemos la cantidad de “fieles en el desierto” que existen dentro de la Iglesia oficial? Con acuerdo, guste o no, el número de fieles en el desierto que alimentar va a aumentar. Cuando veo Sacerdotes jóvenes, que jamás han conocido la Tradición, pequeños grupos aquí y allá que se acercan a la Tradición, ricos en frutos, sé que esto no puede venir de ser humano alguno y tiene que venir del Espíritu Santo. ¿Quién se compadecerá de esta gente sedienta de un Depósito de la Fe sin mancha? ¿Quién, sino la FSSPX, podrá aglutinar a todos estos tradicionalistas dispersos? En tercer lugar, a renglón seguido de lo anterior, permítaseme un símil, aunque éste puede que no sea del todo perfecto. Supongamos que una ciudad amurallada es tomada por unos usurpadores que no tienen derecho ninguno y echan a los legítimos propietarios, que viven dentro. Supongamos que estos usurpadores tienen graves disensiones entre sí. Encima esos invasores tienen una crisis demográfica de proporciones inauditas. Los legítimos propietarios acampan a la sombra de las murallas, justo en el exterior, donde son más o menos tolerados, pero de mala gana, por los vencedores; pero no pueden hacer nada para reclamar su feudo. Ante tal coyuntura los usurpadores deciden invitar a los legítimos propietarios a que entren dentro de su ciudad, no por la puerta de adelante, sino por la de atrás, y a que tomen reposesión si no de todas, sí de algunas de sus casas. Y les garantizan inmunidad dentro de la ciudad. Pregunto: ¿sería lícito negarse a re-entrar y reclamar lo que les pertenece por el mero hecho de que sólo les dejan entrar por la puerta de atrás?
Finalmente una palabra acerca del Santo Padre. No sé si los tradicionalistas somos conscientes de los muchísimos escollos que ha tenido que vencer el Papa para conseguir una situación para la Tradición que hace 10 ó 15 años hubiera sido impensable. Ha comprado a precio de su propio sufrimiento una situación mucho más desahogada para la Tradición. De igual modo que Su Santidad desactivó trampas mortales –porque no sé qué hubiera sido de la Tradición si el Papa hubiera continuado el status quo de Juan Pablo II-, quizás pueda ayudar también a desatar el actual nudo gordiano. Quizás el Vicario de Cristo en la tierra, si quiere, una vez más, pueda solucionar de un plumazo todo. Potestas ciertamente tiene. Auctoritas también. En su mano está.
Ubi Petrus ibi Ecclesia. Porque entiendo que el tradicionalista de buena fe, Obispo, Sacerdote o seglar, lo es para ser más romano. No para ser menos romano.
Estos dimes, estos diretes, estos pataleos, estos decibelios … me suenan a querellas de amantes que, en el fondo, verdaderamente se quieren.

Rafael Castela Santos

sexta-feira, dezembro 09, 2011

Barroco boliviano


A surpreendente música das Missões Jesuíticas na Bolívia (séculos XVI a XVIII) interpretada pelo grupo “Florilegium”, uma das minhas grandes descobertas deste último ano.

quinta-feira, dezembro 08, 2011

Anunciação


Ao sexto mês, o Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem chamado José, da casa de David; e o nome da virgem era Maria.

Ao entrar em casa dela, o anjo disse-lhe: “Salve, ó cheia de graça, o Senhor está contigo”.
Lc 1, 26-28

Salve Regina

quarta-feira, dezembro 07, 2011

Um outro Brasil...



…bastante diferente dos lugares-comuns a que nos habituaram, a merecer redescoberta urgente na Velha Lusitânia.

Do compositor em causa - Padre José Maurício Nunes Garcia -, pude deliciar-me há não muito com esta sublime “Missa de Nossa Senhora do Carmo”. Recomendo-a vivamente a todos!

quinta-feira, novembro 03, 2011

Para que Ele reine: o cerne da questão


Todo aquele que se declarar por mim, diante dos homens, também me declararei por ele diante do meu Pai que está no Céu. Mas aquele que me negar diante dos homens, também o hei-de negar diante do meu Pai que está no Céu. (Mt 10, 32 e 33)

Porque se alguém se envergonhar das minhas palavras, dele se envergonhará o Filho do Homem, quando vier na sua glória e na glória do Pai e dos santos anjos. (Lc 9, 26)

terça-feira, novembro 01, 2011

Na passagem da Festa de Todos os Santos


A passagem da Festa de Todos os Santos é sempre uma ocasião propícia para se recordar a santa memória de Monsenhor Marcel Lefebvre.

sábado, outubro 29, 2011

Em defesa da honra de Cristo!



Através deste artigo, expresso a minha total solidariedade com o combate dos católicos franceses, e em especial o dos jovens (bravíssimo testemunho público de fé que têm dado nos últimos dias), contra o espectáculo ofensivo e blasfemador da honra de Cristo que por estes dias se representa na capital de França. É que mais é demais: já basta! As liberdades de expressão e criação artística não podem ser álibi justificativo e encobridor do insulto gratuito puro e simples, algo muito diverso da crítica legítima e fundamentada! Chega de cobardes pseudo-intelectuais que não hesitam em encenar representações nas quais granadas e excrementos são atirados contra um retrato de Cristo, mas que jamais teriam coragem de fazer tal a um retrato do Profeta Maomé ou à imagem de uma Estrela de David!

Por tais razões, faço votos para que a manifestação a realizar hoje em Paris, pelas 18.00 horas da tarde (17.00 horas portuguesas), seja um sucesso absoluto e o ponto de partida para que a honra de Cristo não volte a ser manchada por terras gaulesas e, mais latamente, por toda a velha Europa.

sexta-feira, outubro 28, 2011

Assis 3

Pessoalmente, não aprecio nem nunca apreciei os encontros inter-religiosos de Assis. Neste campo, sempre preferi o ensinamento tradicional plasmado de forma magistral na encíclica “Mortalium Animos”, do Papa Pio XI, que reprova liminarmente a realização deste tipo de eventos.

Sem prejuízo, e feita a ressalva supra, é notório que Bento XVI, no terceiro encontro de Assis, conseguiu evitar as extravagâncias próprias dos tempos de João Paulo II. Desta vez, não houve orações rezadas em comum, e o Papa, tanto em palavras como em actos, não deu azo a quaisquer equívocos de natureza sincretista ou indiferentista, cumprindo escrupulosamente o que havia anunciado de antemão. Na verdade, com a discrição determinada que lhe é característica, Bento XVI acabou por desvalorizar muitíssimo a importância de Assis 3, adoptando assim uma postura menos afastada da tradição.

Com respeito a este último ponto, no discurso que o Santo Padre pronunciou na ocasião, gostei especialmente da subtil alusão feita ao conhecimento do “verdadeiro Deus”. Para bom entendedor, meia palavra basta…

Pelo contrário, no mesmo discurso, gostei menos da referência feita à violência outrora cometida em nome da fé cristã. Seria bom que Bento XVI explicitasse aquilo a que se pretendia referir, sob pena de estar a dar involuntariamente novos argumentos aos inimigos do Catolicismo - tanto aos fora, como aos dentro da Igreja - para denegrirem a santa religião. Claro que é ensinamento tradicionalíssimo que ninguém pode ser coagido à prática da fé católica; mas tradicionalíssimo é também o ensinamento acerca da licitude do uso da força em caso de legítima defesa da fé e moral católicas... - cfr. § 5, proposição 24, do “Syllabus”, do grande Papa Pio IX.

O caminho dos deuses

New Parthenon, 26 de Outubro.

Pode negar-se a existência dos deuses, mas não pode negar-se a existência das religiões. Se são tantas e conseguiram sobreviver durante tantos séculos, quer dizer que correspondem a uma necessidade profunda da alma humana. Mesmo nos países mais inteligentes e civilizados, a maior parte da população pertence a uma igreja: é mister, pois, que eu também escolha uma.

Mas a eleição é terrivelmente difícil. Vivo, por via da regra, em países cristãos e a minha religião deveria ser o Cristianismo. Mas confesso que o Cristianismo, pelo pouco que dele conheço, me assusta. Estou disposto a reconhecer que é a mais perfeita e a mais sublime das religiões, mas, não obstante, contradiz e condena todos os meus mais profundos instintos. Detesto os homens e o Cristianismo impõe-me que os ame; a muito custo suporto os amigos, e o Cristianismo obriga-me a abraçar os inimigos; sou um dos homens mais ricos da terra, e o Cristianismo ensina-me o desprezo e a renúncia às riquezas; sinto a inclinação de gozar a crueldade, e o Cristianismo impõe-me a doçura e convida-me a prantear o martírio de um Justiçado.

Devo, pois, com grande sentimento, renunciar a fazer-me cristão. Do contrário, seria um cristão rebelde e hipócrita. O Cristianismo é muito elevado para um ser da minha espécie.

Felizmente, não faltam religiões que concordem melhor com a minha natureza. Mas não é fácil escolher uma, antes de a conhecer praticamente. Por isso decidi, há tempos, recorrer ao método experimental. Numa clareira do meu imenso parque, criei, para meu uso pessoal, uma Avenida dos Deuses, isto é, duas filas de templos das maiores religiões do mundo, servidos por sacerdotes autênticos trazidos do país de origem.

Há, em primeiro lugar, um templo hindu, dividido em três partes - átrio, santuário e cela - de acordo com as melhores regras. As divindades eleitas por mim - a deusa Kail e Siva, o destruidor - são servidas por um brâmane verdadeiro, assistido por um purôhita ou capelão e por um grupo de bailarinas sagradas (bayadeiras). Ali se celebram os cinco sacrifícios diários (sandhva) e, de vez em quando, as festas da deusa Kali, em honra de quem uma cabra é degolada.

A poucos passos, eleva-se o templo budista, disposto segundo o rito chinês. É um grande edifício guardado por monstros, à entrada. Ao fundo há uma estátua de Maitreya, futura encarnação do Buda, e, ao centro, a de Sakyamuni, isto é, do Buda histórico, entre os seus discípulos predilectos: Ananda e Kasyapa. Dois monges que vieram do Che Kiang, atendem o culto que, de resto, é muito simples.

Defronte, está o templo de Zeus, de mármore, estilo dórico. De facto, a religião pagã está morta, mas tive a fortuna de encontrar, no Sul de França, um discípulo retardatário daquele Gabriel Auclerc, que, com o nome de Quintus Nantius, quis ressuscitar o paganismo no tempo da Revolução Francesa. É um velho de florida barba, muito estudioso e admirador de Juliano o Apóstata, e reconstruiu como pôde a tradição dos sacerdotes flamínios. De quando em quando, pede-lhe que lhe conceda uma vaca ou um toiro para os sacrifícios e contenta-se, à falta de um genuíno vitimário, com um dos meus cow-boys.

Ao lado, encontra-se o templo sintoista (miya), quadrado, de acordo com a tradição japonesa, e construído com madeiras sagradas. No interior há apenas o espelho de prata, símbolo do Sol, e o famoso shintai, pedra redonda na qual deve transferir-se o mitama, isto é, a alma de Deus. Dois Kannuski estão ao serviço do templo, mas quase nunca podem realizar as procissões do Shintai, por falta de fiéis.

Quis também que não faltasse um templo zaratustriano. É o mais simples de todos: um recinto de pedra, onde o sacerdote parsi - que procurei em Bombaim - mantém sempre o fogo sagrado, atirando-lhe, cinco vezes por dia, madeira de sândalo. Depois das preces, o parsi toma um pouco daquela cinza e leva-a à fronte, e nada mais.

Do outro lado, há uma minúscula mesquita muçulmana, do mais puro estilo árabe do século X, com o mihrad de frente para Meca. Um imame e um muezim, procedentes de Marrocos, repetem todos os dias as orações obrigatórias.

E, finalmente, há uma minúscula sinagoga, imitação, em pequemo, da de Amesterdão, onde um Rabino romeno, mas da tribo de Levy, procede, em companhia de um bazzan de origem ucraniana, às cerimónias indispensáveis.

Há, por ora, sete templos, mas não desespero de os aumentar brevemente. Tanto mais que não consegui até agora fazer a minha escolha. Vou amiúde, quando me encontro aqui, à Avenida dos Deuses: assisto, no mesmo dia, a uma e outra cerimónia e mantenho dois dedos de conversa, já com o monge budista, que sabe inglês, já com o francês sacerdote de Júpiter Máximo, ou com o imame muçulmano. Nenhuma destas religiões oferece aspectos que me atraiam, e descubro preceitos e dogmas que pouco se me adequam.

Um teósofo aconselhou-me que reúna todas as imagens dos deuses, mesmo daqueles que já não são adorados, num grande templo único, e que chame um ministro da Igreja Unitária - ou melhor, da Teosófica - para o cerimonial do culto colectivo. A proposta não me desagrada - também porque representaria uma importante redução nos gastos - mas, por ora, prefiro ter as várias religiões separadas.

Tentei há dois meses, uma empresa, bem mais atrevida: reunir em torno de mim um pequeno concílio de deuses de carne e osso. Soube que vivem, espalhados pelo Mundo, alguns homens que são venerados como verdadeiras e legítimas encarnações divinas e encarreguei um amigo teósofo de convidar alguns. O Dalai Lama de Lhassa - que é o mais célebre desses deuses vivos - nem sequer quis receber o meu emissário e comunicou a sua desdenhosa negativa por meio de um simples lama vermelho. E pensar que eu lhe oferecia, para permanecer aqui uma semana, uma compensação enorme? O Buda vivo de Urga, na Mongólia, deixou-se trazer até aqui, junto com o célebre Krishnamurti - incarnação divina que vive habitualmente em Adyar - mas só dois não me bastavam. O meu encarregado conseguiu descobrir, num subúrbio de Paris, o sucessor daquele Guilherme Monod, morto em 1896, que se proclamou encarnação do Espírito Santo, em fins de 1836. Também esse miudinho francês, que se faz chamar Guilherme III, pretende ser um deus verdadeiro. A estes três, juntei um russo de Saratov, membro da seita Bojki (pequenos deuses) que afirma resolutamente ser uma encarnação de Deus Padre, e um pequeno siciliano, surdo, que é considerado pelos seus discípulos como manifestação definitiva do Espírito Santo. Mas a conversa destes cinco deuses não me foi do menor proveito. O Buda vivo é um velho alcoólico que só sabe repetir, entre duas bebedeiras, a célebre fórmula tibetana: Om mani padme, hum! Krishnamurti contentou-se com expor, em tom hierático e em mau inglês, algumas teorias confusas que já se encontram nos livros de Madame Blavatsky; o mujique nega-se a falar enquanto não chegar não sei que pomba divina; o siciliano limita-se a recitar algumas das suas extravagantes poesias; e, quanto ao francês, nada mais faz do que enunciar os lugares-comuns das seitas protestantes que esperam a vinda do Paracleto. Depois de perder tempo e de me aborrecer uma semana, decidi reexpedir os cinco deuses vivos para os seus países.

E deste modo, embora não tenha poupado os dólares nem a paciência, não tenho ainda uma religião a meu modo e até hoje não me atrevo a dizer qual seja a divindade que mais me convém. E se eu tornasse, um dia ou outro, à religião de minha mãe, à maori? Não pode suceder que Atua e Tangaroa sejam, no fim de contas, os verdadeiros deuses que procuro?

Giovanni Papini, in “Gog”, Lisboa, Livros do Brasil, s/d, páginas 175 a 178.

segunda-feira, outubro 24, 2011

Súplica ao Santo Padre...


Afirmar o óbvio

A Fé não depende da adesão ao Concílio Vaticano II, porque este não é um dogma de Fé.

Tradição e Hermenêutica da Continuidade

Pareceu-me que fazer coincidir o início do Ano da Fé com o cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II poderia ser uma ocasião propícia para compreender que os textos deixados em herança pelos Padres Conciliares, segundo as palavras do Beato João Paulo II, “não perdem o seu valor nem a sua beleza. É necessário fazê-los ler de forma tal que possam ser conhecidos e assimilados como textos qualificados e normativos do Magistério, no âmbito da Tradição da Igreja. Sinto hoje ainda mais intensamente o dever de indicar o Concílio como a grande graça de que beneficiou a Igreja no século XX: nele se encontra uma bússola segura para nos orientar no caminho do século que começa”. Quero aqui repetir com veemência as palavras que disse a propósito do Concílio poucos meses depois da minha eleição para Sucessor de Pedro: “Se o lermos e recebermos guiados por uma justa hermenêutica, o Concílio pode ser e tornar-se cada vez mais uma grande força para a renovação sempre necessária da Igreja”.

(…)

Queremos celebrar este Ano de forma digna e fecunda. Deverá intensificar-se a reflexão sobre a fé, para ajudar todos os crentes em Cristo a tornarem mais consciente e revigorarem a sua adesão ao Evangelho, sobretudo num momento de profunda mudança como este que a humanidade está a viver. Teremos oportunidade de confessar a fé no Senhor Ressuscitado nas nossas catedrais e nas igrejas do mundo inteiro, nas nossas casas e no meio das nossas famílias, para que cada um sinta fortemente a exigência de conhecer melhor e de transmitir às gerações futuras a fé de sempre.

Papa Bento XVI, no Motu Proprio “Porta Fidei”, no qual proclama o Ano de Fé (destaques meus)

A idade da cegueira

Oh quem me dera ter agora neste auditório a todo o mundo! Quem me dera que me ouvira agora Espanha, que me ouvira França, que me ouvira Alemanha, que me ouvira a mesma Roma! Príncipes, Reis, Emperadores, Monarcas do mundo, vedes a ruína dos vossos reinos, vedes as aflições, e misérias dos vossos vassalos, vedes as violências, vedes as opressões, vedes os tributos, vedes as pobrezas, vedes as fomes, vedes as guerras, vedes as mortes, vedes os cativeiros, vedes a assolação de tudo? Ou vedes, ou não o vedes. Se o vedes, como o não remediais? E se não o remediais, como o vedes? Estais cegos. Príncipes Eclesiásticos, grandes, maiores, supremos, e vós, ó Prelados que estais em seu lugar, vedes as calamidades universais, e particulares da Igreja, vedes os destroços da Fé, vedes o descaimento da Religião, vedes o desprezo das Leis Divinas, vedes a irreverência dos lugares sagrados, vedes o abuso dos costumes, vedes os pecados públicos, vedes os escândalos, vedes as simonias, vedes os sacrilégios, vedes a falta de doutrina sã, vedes a condenação, e perda de tantas almas dentro, e fora da Cristandade? Ou o vedes, ou o não vedes. Se o vedes, como o não remediais? E se não o remediais, como o vedes? Estais cegos. Ministros da República, da Justiça, da Guerra, do Estado, do Mar, da Terra, vedes as obrigações que se descarregam sobre o vosso cuidado, vedes o peso que carrega sobre vossas conciências, vedes as desatenções do governo, vedes as injustiças, vedes os roubos, vedes os descaminhos, vedes os enredos, vedes as dilações, vedes os subornos, vedes os respeitos, vedes as potências dos grandes, e as vexações dos pequenos, vedes as lágrimas dos pobres, os clamores, e gemidos de todos? Ou o vedes, ou o não vedes? Se o vedes, como não remediais? E se não o remediais, como o vedes? Estais cegos. Pais de família, que tendes casa, mulher, filhos, criados, vedes o desconcerto, e descaminho das vossas famílias, vedes a vaidade da mulher, vedes o pouco recolhimento das filhas, vedes a liberdade, e más companhias dos filhos, vedes a soltura, e descomedimento dos criados, vedes como vivem, vedes o que fazem, e o que se atrevem a fazer, fiados muitas vezes na vossa dissimulação, no vosso consentimento, e na sombra do vosso poder? Ou o vedes, ou o não vedes? Se o vedes, como não remediais? E se não o remediais, como o vedes? Estais cegos. Finalmente, homem Cristão, de qualquer estado, e de qualquer condição que sejas: vês a Fé, e o Carácter, que recebeste no Baptismo, vês a obrigação da Lei que professas, vês o estado em que vives há tantos anos, vês os encargos da tua conciência, vês as restituições que deves, vês a ocasião de que não te apartas, vês o perigo da tua alma, e de tua salvação, vês que estás actualmente em pecado mortal, vês que se te toma a morte nesse estado, que te condenas sem remédio; vês que se te condenas, hás-de arder no Inferno, enquanto Deus for Deus, e que hás-de carecer do mesmo Deus por toda a eternidade? Ou vemos tudo isto, Cristãos, ou não o vemos? Se o não vemos, como somos tão cegos? E se o vemos, como o não remediamos? Fazemos conta de o remediar algu hora, quando há-de ser esta hora? Ninguém haverá tão ímpio, tão bárbaro, tão blasfemo, que diga que não. Pois se o havemos de remediar algu hora, quando há-de ser esta hora? Na hora da morte? Na última velhice? Essa é a conta que lhe fizeram todos os que estão no Inferno, e lá estão, e lá estarão para sempre. E será bem que façamos nós também a mesma conta, e que nos vamos após eles? Não, não, não queiramos tanto mal a nossa alma. Pois se algum dia há-de ser, se algum dia havemos de abrir os olhos, se algum dia nos havemos de resolver, porque não será neste dia?

Ah Senhor, que não quero persuadir aos homens, nem a mi (pois somos tão cegos), a Vós me quero tornar. Não olheis, Senhor, para nossas cegueiras, lembrai-Vos dos Vossos olhos, lembrai-Vos do que eles fizeram hoje em Jerusalém. Ao menos um cego saia hoje daqui alumiado. Ponde em nós esses olhos piedosos; ponde em nós esses olhos misericordiosos; ponde em nós esses olhos Omnipotentes. Penetrai, e abrandai com eles a dureza destes corações: rasgai, e alumiai a cegueira destes olhos; para que vejam o estado miserável de suas almas; para que vejam quant
o lhes merece essa Cruz, e essas Chagas; e para que lançando-nos todos a Vossos pés, como hoje fez o cego, arrependidos com ua firmíssima resolução de nossos pecados, nos façamos dignos de ser alumiados com Vossa Graça, e Vos ver eternamente na Glória.

Padre António Vieira, "Sermão da Quinta Quarta-Feira da Quaresma", pregado na Misericórdia de Lisboa, no ano de 1669.

sábado, outubro 15, 2011

quinta-feira, outubro 13, 2011

13 de Outubro


La Coronación de María significa simplemente que ella es la Madre de Dios, y por tanto tiene una dignidad que está por encima de todos los Santos y todos los Ángeles: es Reina de todos los Ángeles y Abogada de todos los hombres.

Ningún poeta se le ha atrevido a este misterio. Conocemos varios poemas a la Asunción de María Santísima, ninguno a su Coronación; pero es lo mismo, la Asunción y la Coronación son la continuación de un mismo acto. Cuando subió a los cielos en cuerpo y alma subió derecho al Trono de Dios y fue colocada al lado de su hijo Jesucristo. ¿y dónde queda eso?

(…)

Desde que san Pablo dijo que el cielo era superior a todo lo que puede imaginar el hombre, los poetas han dejado que cada cual se lo imagine como pueda. Dante Alighieri escribió su “Paraíso” pero todos dicen que no le salió tan bien como el “Infierno”. “Ni el ojo vio, ni el oído oyó, ni el corazón del hombre puede soñar, lo que Dios tiene preparado a los que lo aman”.

Todas las cosas que tienen relación directa con Dios son en alguna manera infinitas, dice santo Tomás de Aquino; como el Infierno, el Pecado, y la Humanidad de Cristo. Y así es María, Madre de Dios; y el cielo, que es la asimilación viviente con el mismo Dios.

Imaginemos por tanto, a falta de cosa mejor, la Jerusalén Celestial que describe san Juan al final de su Apokalypsis; es una ciudad portentosa descendida del cielo; en realidad de verdad es un símbolo un poco extraño del mundo de los Resucitados. Es una ciudad altísima hecha de cristal, de oro y de piedras preciosas. Hay en ella fuentes de aguas vivas, está el árbol de la Vida, muchos árboles que dan un fruto diferente cada mes; y supongo que no faltarán parrales; y una multitud innumerable de moradores gozosos. No hay en ella dolores ni luto ni pena ni zozobra ni aflicción de espíritu; porque “Todas esas cosas ya pasaron - dice Dios - y la muerte ya no es: enjugaré de sus ojos toda lágrima”. Su sol es Dios mismo y su luna es María Santísima, y sus estrellas son los ángeles. En medio della está el Trono de Dios sostenido por cuatro querubines, y alrededor veinticuatro tronos con los Doce Apóstoles y los Doce Patriarcas de Israel; al pie del, sentada , una mujer majestuosa, sobre cuya cabeza depositan una corona de oro el Padre y el Hijo mientras sobre su frente se cierne una paloma luminosa; así pintó Velásquez la Coronación de María (…).

La hermosísima María de Nazaret, Virgen sin pecado, es el comienzo de la restauración del Edén. Solamente verla a ella será un gozo.

Padre Leonardo Castellani, “El Rosal de Nuestra Señora”, Buenos Aires, Ediciones Nuevas Estructuras, 1964 - páginas 135 a 137.

terça-feira, outubro 11, 2011

Um "cromo" de colecção


Um autêntico serviço público, que nos coloca de sobreaviso contra a legião de lobos com pele de cordeiro que continuam a infestar a Vinha do Senhor, é como classifico a notável - e num certo sentido muitíssimo divertida - colecção de “cromos” de heresiarcas que Francisco José Fernandéz de la Cigoña tem vindo a juntar pacientemente no seu blogue. O último a ser-lhe adicionado foi o respeitante a um tal Domenico Mogavero, ao que parece bispo de Mazara del Vallo, na Sicília, Itália, a quem deu para espumar publicamente de raiva - numa demonstração notória do completo desespero e da total impotência da pandilha progressista - contra o Papa Bento XVI, a Missa Tradicional de rito latino-gregoriano, o “Summorum Pontificum” e o processo de regularização canónica da FSSPX. Todo um “cromo”, portanto, e dos bem grandes…

A ler mais aqui e aqui.

domingo, outubro 09, 2011

Entrevista de Monsenhor Guido Pozzo à Gloria TV



Palavras claríssimas de Monsenhor Guido Pozzo, secretário da Comissão “Eclesia Dei”, proferidas num ainda mais claro italiano. E não apenas sobre as conversações entre Roma e FSSPX (quanto a esta matéria, recomendo vivamente tudo o que o meu amigo Afonso Miguel tem publicado na sua “Tribuna”), mas também acerca da grandeza e importância da Missa tradicional de rito latino-gregoriano. A ouvir de fio a pavio com muita atenção.

O debate que vai acontecer

O dos efeitos nefastos do Concílio Vaticano II, único que interessa fazer aos católicos dignos desse nome. E que até já começou, conforme o comprovam as palavras proferidas pelo Cardeal Piacenza, prefeito da Congregação do Clero, no seu recente discurso aos seminaristas da arquidiocese de Los Angeles, nos Estados Unidos, e que abaixo transcrevo.

Seréis vosotros, probablemente, la primera generación que interpretará correctamente el Concilio Vaticano II, no según el “espíritu” del Concilio, que tanta desorientación ha traído a la Iglesia, sino según cuanto realmente el Acontecimiento Conciliar ha dicho, en sus textos, a la Iglesia y al mundo.

¡No existe un Concilio Vaticano II diverso del que ha producido los textos hoy en nuestra posesión! Y en estos textos nosotros encontramos la voluntad de Dios para su Iglesia y con ellos es necesario confrontarse, acompañados por dos mil años de Tradición y de vida cristiana.

La renovación es siempre necesaria a la Iglesia, porque siempre necesaria es la conversión de sus miembros, ¡pobres pecadores! ¡Pero no existe, ni podría existir una Iglesia pre-Conciliar y una post-Conciliar! Si fuera así, la segunda – la nuestra – ¡sería histórica y teológicamente ilegítima!

Existe una única Iglesia de Cristo, de la que vosotros formáis parte, que va desde Nuestro Señor hasta los Apóstoles, desde la Bienaventurada Virgen María hasta los Padres y Doctores de la Iglesia, desde el Medioevo hasta el Renacimiento, desde el Románico hasta el Gótico, el Barroco, y así sucesivamente hasta nuestros días, ininterrumpidamente, sin alguna solución de continuidad, ¡nunca!

¡Y todo porque la Iglesia es el Cuerpo de Cristo, es la unidad de su Persona que se nos dona a nosotros, sus miembros!

Vosotros, queridísimos Seminaristas, seréis sacerdotes de la Iglesia de San Agustín, de San Ambrosio, de Santo Tomás de Aquino, de San Carlos Borromeo, de San Juan Maria Vianney, de San Juan Bosco, de San Pío X, hasta el santo Padre Pío, a San José María Escrivá y el Beato Juan Pablo II. Seréis sacerdotes de la Iglesia que está formada por tantísimos santos Sacerdotes que durante los siglos han hecho luminoso, bello, irradiante y por tanto fácilmente reconocible, el rostro de Cristo, Señor, en el mundo.

La verdadera prioridad y la verdadera modernidad, pues, queridos míos, ¡es la santidad! El único posible recurso para una auténtica y profunda reforma es la santidad y ¡nosotros tenemos necesidad de reforma! ¡Para la Santidad no existe un seminario, a no ser el de la Gracia de Nuestro Señor y de la libertad que se abre humildemente a su acción plasmadora y renovadora!

El Seminario de la Santidad, tiene, pues, un Rector verdaderamente magnífico y es una mujer: la Bienaventurada Virgen María. ¡Que Ella, que durante toda la vida nos repetirá: “Haced lo que Él os diga”, pueda acompañarnos en este arduo pero fascinador camino!

sábado, outubro 08, 2011

A Igreja portuguesa em estado de necessidade absoluto

A leitura deste artigo - “Os Senhores das heresias” - escrito em 1999 pelo Padre Nuno Serras Pereira, e que mantém inteira actualidade, comprova tal circunstancialismo. Desde então, nada mudou para melhor na Igreja portuguesa e quase tudo piorou.

quarta-feira, outubro 05, 2011

Os falsos padres: um dano colateral do "novus ordo"

Umas das peculiaridades mais bizarras do "catolicismo" nacional, já por várias vezes ocorrida em paróquias rurais do interior, sobretudo na zona norte do país, é a dos burlões que fazendo passar-se abusivamente por padres católicos, usurpam o desempenho de funções sacerdotais, celebrando Missas, administrando baptismos, oficiando casamentos, presidindo a funerais e, quiçá, ouvindo confissões…

Neste âmbito, o caso mais recentemente conhecido é o de Agostinho Caridade, que durante três anos, entre 2004 e 2007, apesar de nunca haver sido ordenado padre (ao que parece, as suas habilitações académicas limitavam-se ao 6º ano de escolaridade…), exerceu o múnus sacerdotal na área das dioceses do Algarve, do Porto e de Braga, chegando mesmo ao ponto de celebrar a Missa em plena sé bracarense (ler aqui e aqui).

É fácil de compreender o que motiva estes falsos padres: para além da patologia exibicionista que lhes está ínsita, a ocasião é literalmente de ouro para se locupletarem em proveito próprio com os estipêndios pagos ou os donativos feitos pelos fiéis. Comportamento sintomático de uma sociedade onde o respeito pelo sagrado se perdeu por completo, não menos importante é sublinhar que este só é possível devido ao modo laxista como o “Novus Ordo” - onde tudo vale - permite que a Missa seja oficiada e os restantes sacramentos administrados. Alguém acredita que um burlão deste género alguma vez conseguiria macaquear uma Missa Tradicional de rito gregoriano, rezada em latim e com estrita observância de todas as rubricas prescritas pelo Missal Romano? Creio que a resposta é óbvia: não! A praga destes burlões é assim mais um dano colateral provocado pela desastrosa reforma litúrgica que originou o “Novus Ordo”.

Sem prejuízo, o caso concreto não deixa de possuir uma saborosa ironia, bem demonstrativa do subtil sentido de humor divino: é risível que um falso padre tenha fintado o Arcebispo de Braga na própria sé catedral deste, e logo o Arcebispo que encara qualquer verdadeiro sacerdote católico que queira celebrar a Missa Tradicional quase como uma espécie de malfeitor, mesmo que a sua situação canónica seja de plena regularidade…

sexta-feira, setembro 30, 2011

Excerpts from letters to a prisoner 01

[…] Please, let me talk this week about the key stone aspect of the 1st Commandment.
Saints and spiritual masters throughout the two millennia tradition have stated the Love of God as the crucial issue in spiritual life. Truly said, nobody can say he loves God without complying with the Decalogue. Our Lord emphasized this point. However He set the standard very clearly in indicating there were two main Commandments, Love of God and love of neighbour. The rest of the Commandments emerges from these.
Indeed, I am sure there are very chaste people in Hell; or very honest ones; or very nice ones as well, for that purpose. When the Love of God is missing, one may get into a futile checkbox exercise in relation to the Commandments. Virtue is always weak when Love of God is missing. Perhaps because of individual predisposition, or perhaps because God is merciful as well, one can practice this virtue or some other one. If Love of God is not sufficiently present the virtues become kind of hollow. It is, in fact, a very fragile shell that vanishes away as soon as the opportunities to fall into sin arise. There is no other way to root in virtue, to make virtue part of the steady structure of our soul, than loving God.
In order to achieve a solid and consistent Love of God there is no better pathway than the practice of humility. The road (should I say the highway?) towards Love of God is precisely humility. Humility, true humility, is arguably the most profound virtue of all. After all, taking into account that sin came into being on earth through pride, humility is the opposite virtue to the execrable sin of pride which brought Original Sin into the human race. However, practicing humility is one of the most difficult things. I do not remember in which Saint the spirit of pride left the human body about three hours after death. In fact, I think this Saint was pervaded by wishful thinking in saying so and was excessively optimistic. Anyone minimally insightful knows that humility and restraining one’s tongue are the two most difficult to practice.
It is an unfortunate, but common, experience to recognize that even when we practice virtue, other virtues different from humility carry the risk of jeopardizing humility itself. Sometimes, maybe often, we take some pride in telling God something along the following lines: “Oh, God, see I have improved in this or that … I am not like the rest, I do my ‘homework’, and I am moving towards Thee and loving Thee in having advanced in this or that virtue …”. It seems to me this is at the very least pathetic. This puts us in the position of the Pharisee who, having sat in the first row, felt superior and different. As far as I am concerned, I have often fallen into this grievous sin of pharisaic pseudo-prayer.
Our Lord rebuffed the pharisees time and time again. Why is Phariseeism so important to Our Lord? I mean it is because He spent an apparently disproportionate amount of time rebutting them, rebuffing them and discouraging them from pursuing that route. This reminds me very much of Fr Leonardo Castellani, an Argentinean priest and prolific writer who died in 1981. Fr Castellani identified Phariseeism as the most important problem underlying modernism. And I think he was right. But this will be the topic for another one of these letters of mine. Let us just remind ourselves the two moral insurmountable Pharisees’ handicaps were precisely their lack of humility and, therefore, their lack of Love for God. They were too concerned with the 600 plus norms of Jewish religion and priding themselves in fulfilling them.
It took a pharisee leader, Paul of Tarsus, no less, than becoming a prisoner of blindness to realize his own ailment. The rest is widely known and St Paul became by far and large the most profound of all the Apostles. Trick? None, but the practice of humility and rooting everything in God. He had a complete disdain for himself (noticeable through his letters) which still strikes me 2000 years afterwards. He was all for Christ. As it should be.
I do apologize if I am entering into painful grounds, but I think that perhaps your imprisonment is your blindness. Being imprisoned is such a humiliation in itself that it puts you immediately on the track of that highway of humility I mentioned above. Take advantage of this to promote the Love of God. Make a recall of your past and present sins and consider an innocent Man, Our Saviour, who suffered the most painful and indecent possible death only to save you. Without Him your fate would be grim. Aren’t you then obliged, as we all are, to love Him more than anybody else? Aren’t you then obliged to do every single action, even the most minute, to think every thought, even to feel any emotion, because of love for Him? He bought your own life, not just this one, but more importantly the eternal and definitive one, at the price of His own Death. The day you recover your freedom you will think you will have achieved something really important. Humanly speaking I agree. Yet that physical freedom will be just a pale reflection from freedom from sin. St Paul needed his own way to Damascus to achieve it. Maybe, something for you to ponder, you needed your way to [the prison] to achieve yours. [You] will be a deeper, more humble, therefore more God-loving, person after this devastating experience. Maybe this imprisonment of yours has given a big kick in the arse of your lukewarmness. The power of God is better manifested in His capacity of extracting enormous good from, in this case, unjust experiences, such as you being imprisoned when the closest ones to you know it is completely unjust.
[…]
Sincerely in Christ the King and Mary Queen,

Rafael Castela Santos

segunda-feira, setembro 19, 2011

Da caminhada para a concretização da "Experiência da Tradição"

Escrevi este artigo - Da possibilidade de um acordo entre Roma e a FSSPX - há precisamente seis anos. Hoje não vislumbro qualquer razão que me leve a refutar a tese que então defendi e que sustentava a hipótese concreta da celebração de um acordo entre a FSSPX e Roma, com vista à regularização do estatuto canónico daquela primeira no seio da Igreja institucional.

Respigo e destaco do que disse na altura:

(…) relembrando que os artigos publicados neste espaço expressam exclusivamente o ponto de vista dos seus autores, apesar da simpatia assumida que os mesmos têm pelo combate tradicionalista da FSSPX, passo a reflectir sobre a possibilidade de Roma e a Fraternidade chegarem a um acordo que ponha fim às divergências dos últimos trinta anos.

A meu ver, julgo que esse evento será possível, se três condições prévias forem preenchidas:

a) A total liberalização da celebração da Missa tradicional de rito latino-gregoriano, desenleando-a das amarras a que a mesma se encontra presa depois da reforma litúrgica de Paulo VI, num acto que implicaria tão-só a total reconfirmação do conteúdo da bula "Quo Primum", e mais latamente da reafirmação dos cânones 1º a 6º, da XXII Sessão do Concílio de Trento;

b) Levantamento das excomunhões injustas e infames proferidas pelo Papa João Paulo II contra Monsenhor Marcel Lefebvre, Dom António de Castro Mayer e os actuais quatro bispos da Fraternidade, as quais comprovadamente são desprovidas de qualquer fundamento canónico, constituindo um dos baixos momentos do pontificado do antecessor de Sua Santidade Bento XVI;

c) Transformação da Fraternidade numa administração apostólica ou prelatura pessoal exclusivamente dependente do Papa, sem quaisquer interferências dos ordinários locais, e com a garantia de que os respectivos bispos serão sempre escolhidos de entre os seus membros.

É claro que se fizer isto, o Papa Bento XVI muito provavelmente verá ser desencadeada contra a sua autoridade uma guerra sem quartel movida pelos hereges neo-modernistas (…) que fizeram da destruição da fé e tradição católicas, bem como da erecção de uma religião antropolátrica, objectivos principais das suas vidas.

(…)

Assim, estará o Romano Pontífice disposto a correr risco de deixar acontecer o verdadeiro cisma com que os hereges o ameaçam? Talvez, se estiver seguro de quem cerrará fileiras do seu lado. Nessa luta, os sacerdotes da Fraternidade desempenharão seguramente um papel de primeira grandeza e linha, e devido à sua formação estritamente ortodoxa, contribuirão com denodo para a limpeza dos estábulos de Áugias em que a Igreja se transformou após quarenta anos de modernismo desenfreado. Rezo para que as coisas assim se passem. Que Cristo e Sua Mãe assim o queiram!

Por outro lado, a crise da Igreja não acabará imediatamente, circunstância que outrossim não agradará a certos sectores tradicionalistas próximos do chamado sedevacantismo. Há que consciencializarmo-nos de que Roma não abrirá mão, pelo menos no imediato, das suas posições sobre a colegialidade, a liberdade de religião ou o ecumenismo (…). Porém, mau-grado este circunstancialismo, aqui devemos estar esperançados: o pleno resgate da Missa tradicional da catividade em que penava, trará certamente graças extraordinárias à Igreja, e constituirá um profundo golpe no modernismo. Afinal, "lex orandi, lex credendi"... Muitos perderão o receio (infundamentado) que a Fraternidade presentemente lhes provoca, e começarão a frequentar a Missa tradicional. Descobrirão, então, como foram abusadas espiritualmente durante largos anos da sua vida... Tudo o mais começará a vir por acréscimo.

Doravante, passo a acrescentar tão-só mais as seguintes considerações.

Com maiores ou menores subtilezas jurídicas, as condições postas nas alíneas a) e b) acima transcritas já foram respondidas positivamente por Roma. Se a estas duas se vier a acrescentar também a aceitação da imprescindível condição colocada na alínea c) supra, é meu juízo que à Fraternidade não restará outra alternativa que não seja a de aceitar a sua imediata regularização canónica por Roma, e sem ter a preocupação de solucionar à pressão questões doutrinárias e de magistério que apenas o tempo - médio e longo prazo - resolverá.

Outrossim, e como referi há não muito numa troca de correspondência com um amigo tradicionalista brasileiro a propósito deste assunto, Roma (o Santo Padre) precisa da Fraternidade para pôr ordem dentro da Igreja, mas a Fraternidade também necessita de Roma (do Santo Padre) para ser coerente consigo própria e com aquilo que prega.

***

Michael Voris acerca das conversações entre Roma e a FSSPX

segunda-feira, setembro 05, 2011

Leituras ainda de Agosto - "El Ruiseñor Fusilado", de Leonardo Castellani


Causa-me estranheza como pude adiar durante tanto tempo a leitura deste livro. Escrito entre 1947 e 1952, num dos períodos mais difíceis da vida do Padre Leonardo Castellani (o que precedeu e sucedeu à sua injustíssima expulsão da Companhia de Jesus), mas publicado somente em 1975, o mesmo tem por pano de fundo a análise dos trabalhos literários e sobretudo da vida tormentosa do Padre catalão Jacinto Verdaguer (1845 - 1902).

Em “El Ruiseñor Fusilado”, o ilustre sacerdote católico argentino, que toma emocionalmente Verdaguer por um seu “alter ego”, disseca com a mestria e fineza que lhe são características todos os grandes temas recorrentes na sua genial obra bibliográfica, num autêntico “tour de force”: a análise da diferença entre obediência legítima e ilegítima, com a defesa do primado da consciência face àquela segunda; as considerações acerca das razias provocadas pelo farisaísmo no interior da Igreja, entendido esse como um eclesiocratismo desapiedado e desalmado, que obnubila o sentido da fé e se preocupa tão-só com a prática de uma obediência literal, formal e exterior, transformada numa finalidade em si mesma; enfim, as reflexões sobre a grande apostasia religiosa dos últimos tempos, o Apocalipse e a Parúsia.

Em suma, trata-se de um livro notável e ao mais alto nível de Castellani, o que não é dizer pouco! E percebo, finalmente, perante toda temática abordada, o porquê da dedicatória supra retratada.

segunda-feira, agosto 29, 2011

Leituras de Agosto - "Europe and the Faith", de Hilaire Belloc


A tese desenvolvida por Belloc neste livro é simples e conhecida, apesar de esquecida nos dias que correm. Convém, pois, recordá-la: na sua essência, a Europa é o resultado directo da cultura greco-romana clássica matizada pelo baptismo cristão que lhe foi ministrado pela Igreja Católica.

Sustenta Belloc que nunca ocorreu uma queda, uma desaparição no sentido literal da palavra, do Império Romano; este último, ao invés, a partir do século V, com o enfraquecimento dos laços centralizadores que uniam administrativamente as diferentes províncias imperiais a Roma, transmutou-se num conjunto de unidades politicamente independentes entre si, porém espiritualmente ligadas a Roma, já não pelo poder militar das legiões, mas pelo elo religioso nelas infundido pela Igreja Católica. E sob o influxo desta última, a Europa conseguirá superar o período obscuro e turbulento que se seguiu à desaparição do poder imperial romano e, a partir do século XI, guindar-se-á a uma nova época de dois séculos, que conhecerá o seu zénite coma Cristandade do século XIII - a Cristandade onde viveu São Tomás de Aquino -, em que mais do que nunca fará sentido o lema tão caro a Belloc: “a Europa é a Fé, e a Fé é a Europa!”

Com o dealbar do século XIV, e por causa daqueles que voluntária ou involuntariamente colaboram com as forças que imprimem um sentido anticristão à História, iniciar-se-á a erosão da Cristandade medieval, que culminará com a brutal ruptura da unidade espiritual europeia provocada pela reforma protestante do século XVI, o primeiro de muitos abalos que a Europa sofrerá na sua essência. Daqui se abrirão as portas sucessivamente à idolatria do poder absoluto do Estado, ao iluminismo jacobino, à revolução francesa, ao liberalismo laico e ao capitalismo desregrado, ao socialismo ateu, à revolução russa e à guerra mundial (este livro foi originalmente lançado em 1920), autênticas antecâmaras da erecção na Europa do Estado Servil ou Tecnocrático animado por uma ideologia anticristã, jacobina e internacionalista, antítese última das ideias de Cristandade e Europa, pois, como Belloc sempre insiste, “a Europa é a Fé, e a Fé a Europa!"

Leitura recomendada, já que - como li algures - conhecer a História é ser-se católico.

P.S. Para além da edição em língua inglesa deste livro, da responsabilidade da “TAN”, existe também uma espanhola, “Europa y la Fe”, publicada pela “El Buey Mudo”.

P.P.S. Este artigo é publicado em simultâneo no blogue “A Cigarrilha de Chesterton”.

Michael Voris em Fátima

quinta-feira, agosto 18, 2011

Leituras de Agosto - "Maximilien Kolbe - Prêtre, journaliste et martyr (1894 - 1941)", de Philippe Maxence


É bem conhecido da generalidade dos católicos contemporâneos, o episódio da morte heróica de São Maximiliano Kolbe no campo de concentração de Auschwitz. Menos conhecido, ainda que não de menor importância, é o seu exemplar percurso de vida de religioso franciscano. O livro de autoria de Philippe Maxence, recentemente publicado, vem agora suprir esta última lacuna.

Através de tal trabalho, o leitor trava conhecimento com um homem incomum, sacerdote católico fora do vulgar (ainda que de temperamento e trato nem sempre fáceis) e valorosíssimo cavaleiro da Imaculada Conceição, que sob os auspícios de Nossa Senhora e através de um apostolado exercido eminentemente por meio da imprensa, se entregou por inteiro à instauração da ordem social cristã, à conversão de pecadores, hereges, cismáticos, judeus e não crentes, e ao combate contra as heresias da modernidade, que ele entendia personificadas na actuação da Maçonaria no mundo. Em pouco mais de vinte anos de sacerdócio, e até ao seu derradeiro sacrifício consumado em Auschwitz, este doutorado em Filosofia e Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, antigo aluno do grande Cardeal Louis Billot, movido por uma força de vontade sobre-humana, levaria o seu infatigável labor missionário e o seu incansável combate pela conversão das almas da Polónia ao Japão, passando por sítios tão diferentes quanto a Itália, a Índia ou a China.

Com a leitura deste livro, toma-se consciência do carácter excepcional de São Maximiliano Kolbe, sem dúvida modelo de acção a ser considerado em pleno por todos os católicos defensores da tradição (não por acaso, os Franciscanos da Imaculada reclamam a continuidade da sua obra), o que torna legítimo questionar como teria o mesmo reagido perante todas as novidades trazidas à Igreja pelo Concílio Vaticano II? Ora, sabendo-se quais os grandes objectivos que direccionaram toda a sua vida, parece fácil de adivinhar qual teria sido essa reacção… Porém, aqui os planos da Providência foram outros.

São Maximiliano Kolbe, rogai por nós!

quinta-feira, agosto 11, 2011

Leituras de Agosto - "Juana Tabor" e "666", de Hugo Wast


Num tempo normal, que não o que vivemos, o argentino Hugo Wast seria aclamado como um dos maiores escritores do século XX. Ao contrário, a nossa estranha época remeteu-o para um esquecimento mais do que comprometido: sabendo-se os antivalores que a dominam, compreende-se o porquê de tal atitude.

Em “Juana Tabor” e “666”, que a madrilena “Homo Legens” reeditou há não muito num único e cuidadíssimo volume, Wast demonstra em pleno todo o seu brilhantismo e genialidade. Nestas duas obras originalmente publicadas em 1942, de que “666” é a continuação e desenlace de “Juana Tabor”, e cuja acção decorre numa época pré-apocalíptica, situada pelo escritor nos últimos anos do século XX, durante a qual o Anticristo prepara a sua ascensão ao poder absoluto, o leitor acompanha eminentemente o percurso espiritual de dois membros de uma mesma ordem religiosa (a imaginária Ordem Gregoriana): o do velho Frei Plácido de Santiago e o do seu jovem superior Frei Simón de Samaria. Enquanto o primeiro mantém em tempos difíceis uma plena fidelidade à doutrina tradicional católica, o segundo arrogando-se o papel de reformador e modernizador da Igreja, ao pretender adaptá-la às supostas necessidades do mundo contemporâneo, acaba por enveredar por caminhos que o levarão à apostasia total e a transformar-se num mero peão do Anticristo.

Quase setenta anos decorridos desde a primeira edição destas obras, e sabendo-se o verdadeiro percurso que a Igreja Católica sofreu de 1942 até à actualidade, causa admiração a forma exacta e precisa como Hugo Wast retratou Frei Simón de Samaria - defensor de muitas, estranhas e heréticas teses -, este surge retrospectivamente aos olhos do leitor actual como um misto de Teilhard de Chardin e Karl Rahner. Só por isto, vale a pena ler tais livros. E Wast é um escritor cativante, cuja leitura, uma vez iniciada, é muito difícil de ser interrompida.